Topo
Era uma vez… – Just So Brasil
fade
3907
single,single-post,postid-3907,single-format-gallery,eltd-core-1.0,flow-ver-1.0.1,,eltd-smooth-page-transitions,ajax,eltd-grid-1300,eltd-blog-installed,page-template-blog-standard,eltd-header-vertical,eltd-sticky-header-on-scroll-up,eltd-default-mobile-header,eltd-sticky-up-mobile-header,eltd-dropdown-default,wpb-js-composer js-comp-ver-4.9.2,vc_responsive

Era uma vez…

Era uma vez duas amigas, mães, que queriam curtir cultura de boa qualidade junto com os filhos. O dilema era que os espaços adultos não eram tão receptivos para as crianças e os espaços infantis pareciam pouquíssimo atraentes para elas, pessoas adultas. Foi quando uma delas se questionou: por que nos resumimos a “espaços adultos” e “espaços infantis”? Por que não podemos ter espaços que contemplem as necessidades e desejos dessas duas faixas etárias, já que crianças não vivem sem adultos e adultos que tem crianças também querem diversão e cultura!?

 

A inquietação logo foi compartilhada com sua amiga e encontrou uma ressonância tão grande que sem precisar de maiores justificativas já ouviu um decisivo “claro, vamos mudar isso!”.

 

E foi assim, na mesa da cozinha de uma delas, entre babadores e louça por lavar, que saiu o primeiro esboço do que viria a ser um dos principais festivais para famílias do Reino Unido. Elas foram contando pros amigos que poderiam ajuda-las a concretizar aquelas ideias. A rede foi se expandindo e as pessoas foram chegando por essa via da amizade, por se identificarem com a causa e por encontrarem ali um espaço para criar, para mostrar seus talentos e para construir novas possibilidades de convívio adulto-criança e – por que não – adulto-adulto também!

 

As casas delas, e de muitos dos amigos envolvidos, transformaram-se em ateliês, escritórios, estúdios, oficinas. Crianças pra lá e pra cá, materiais dos mais diversos, computadores, telefonemas, uma certa bagunça, alguns prazos a cumprir. Como tudo o que Tem Que Ser, as ideias foram tomando forma, foram tomando vida própria e vieram ao mundo com muita alegria e beleza. Assim nasceu o Just So Festival.

 

Foi – e tem sido – tão lindo que atravessou o oceano e ecoou nos ouvidos, almas e corações de três mães brasileiras, que seguiram os passos das inglesas e foram se juntando a outras mães, artistas e as mais diversas pessoas que ouviram o mesmo eco e se encantaram.

 

O caráter “caseiro” do evento permanece. Não que isso fosse exatamente o planejado, mas a impressão que temos é que quando nos dedicamos integralmente a uma causa fica impossível dissociar “trabalho e vida pessoal”. E quando essa causa é o convívio familiar, proporcionar arte e cultura que agradem a adultos e crianças, incluir ao invés de excluir, logo constatamos que não faz sentido deixar em casa o filho com febre pra atender a uma reunião, e aí percebemos que agir dessa forma, ao contrário de aparentar desleixo profissional, ou de atrasar cronogramas, acaba sendo um alívio para todos, porque na realidade todos que tem filhos passam por isso, e quando a gente se identifica, a gente se dispõe a colaborar de uma forma surpreendente.

 

Quando a gente acredita no que faz e sente-se respeitado nesse processo, o rendimento é outro, as coisas acontecem e tudo se encaixa de uma forma meio inexplicável.

 

É assim que estamos preparando o Just So Festival Brasil e é assim que vamos receber você e sua família nos dias 15 e 16 de outubro na Fazenda Vassoural, em Itu, SP. Nesse mundo mágico que estamos criando só há espaço para as máscaras das fantasias, só há espaço pra interpretar os personagens das histórias, porque, no mais, a ideia é cada um ser quem é, com suas dores e suas delícias, sem medo “do que vão pensar”, porque estamos todos na mesma história, porque sabemos que um ambiente que acolhe a adultos e crianças é um ambiente que acolhe a todos que tenham um desejo sincero de ser feliz.

 

Esse texto foi mais um presente escrito pela Carolina Mathias para o blog do Just So Brasil. Você encontra mais escritos da Carol nos blogs Aralume e O Filho do Aralume.